top of page

Exame - Entenda como funcionará o teste para os 4 dias de trabalho no Brasil

Novo modelo de trabalho já é testado em outros países e foi criado por um empresário na Nova Zelândia. O primeiro teste piloto promovido no Brasil começa ainda este ano. Empresas de todos os portes contarão com treinamentos e testes da Boston College



Trabalhar home-office já é uma grande mudança no regime de trabalho, mas o formato de 4 dias de expediente e 3 dias de folga ainda está em teste em alguns países. No Brasil, a oportunidade de testar esse novo formato chegou este ano.


Toda a empresa brasileira, seja ela de porte pequeno, médio ou grande, poderá se inscrever até o dia 31 de agosto para o teste de 4 dias de trabalho. No Brasil, o teste piloto já tem dia para começar e será realizado pela Reconnect Happiness at Work, empresa privada especializada em treinamentos voltados à felicidade e saúde corporativa, em parceria com a 4 Day Week Global, ONG que criou e fornece mentoria sobre a semana de 4 dias de trabalho, e a Boston College, universidade americana que cuidará do treinamento das empresas, segundo Renata Rivetti, fundadora da Reconnect:


“Muitas empresas brasileiras poderão implementar os 4 dias de trabalho com todo o nosso apoio. O treinamento está previsto para começar em setembro de 2023 e o teste piloto, quando as empresas diminuirão o tempo de trabalho para 4 dias, será a partir de novembro deste ano com duração de seis meses”.


Quando começou essa ideia de 4 dias de trabalho?


A ideia surgiu em 2018 com o empresário Andrew Barnes, fundador da neozelandesa Perpetual Guardian. Ele sentiu a necessidade de buscar formas para aumentar a produtividade da sua empresa. Decidiu, então, fazer uma proposta aos seus funcionários: caso aumentassem a baixa produtividade diária, ganhariam um dia para ter mais tempo livre.


“O piloto foi medido e acompanhado pela Universidade de Auckland para garantir a veracidade dos dados, e teve resultados positivos, tanto na questão da produtividade, quanto na questão da saúde mental. Desde então, o formato despertou o olhar do mundo”, afirma Rivetti.


Considerando o retorno positivo, Barnes fundou a 4 Day Week Global em 2019, uma organização sem fins lucrativos que fornece mentoria para pessoas e empresas interessadas em apoiar a ideia da semana de 4 dias como parte do futuro do trabalho.


Como funciona o processo para uma empresa participar do teste piloto no Brasil?


Para que o teste piloto seja realizado em um país, é necessário que a 4 Day Week Global tenha um parceiro nacional. No Brasil, esse parceiro é a Reconnect Happiness at Work, empresa que cria culturas corporativas desde 2020, que será a responsável por organizar o teste piloto.

“Já trabalho por meio da Reconect com a saúde mental e bem-estar dos funcionários e comecei a acompanhar o que estava acontecendo com os pilotos globais. Os resultados eram excelentes em todos os pilotos. Foi aí que fui conversar com o time da 4 Day Week Global para entender as expectativas de trazer o teste para o Brasil. Eles encontraram sinergia entre o nosso propósito e o da ONG, e assim fechamos essa parceria que vai trazer ao Brasil a mesma metodologia que tem sido utilizada ao redor do mundo”, afirma a fundadora da Reconnect.

Essa metodologia, ao contrário do que muitos acreditam, não se resume em tirar a sexta-feira, mas redesenhar a jornada de trabalho, afirma Rivetti.

“Existe sim uma forma de trabalhar melhor e a gente ensina as empresas como ganhar produtividade com esse redesenho do trabalho. O modelo é flexível com o horário, mas precisa seguir o padrão de 100 – 80 – 100: 100% de pagamento de salário, trabalhando 80% do tempo e mantendo 100% da produtividade,” afirma Rivetti.


O teste piloto tanto no Brasil quanto nos outros países conta com três fases:

  • Inscrições: empresa de qualquer porte e de qualquer setor poderá se inscrever no site da Reconnect Happiness at Work até o final de agosto. Não há limites de cadastro e todas as empresas do Brasil poderão participar. A companhia poderá selecionar se ela quer fazer o piloto para a empresa inteira ou para uma área específica. E a própria empresa seleciona as pessoas que serão embaixadores do tema, que participarão do treinamento e irão multiplicar o conteúdo dentro da empresa. Para a inscrição, será cobrada uma taxa proporcional ao faturamento da empresa.

  • Treinamento: a empresa contará com 10 master classes para que elas possam aprender a metodologia. Eles vão participar também das pesquisas com a Boston College.

  • Teste piloto: previsto para começar em novembro deste ano, onde a carga horária de trabalho será diminuída para 4 dias da semana. É a fase em que as empresas vão praticar todo o conteúdo que foi preparado. Essa fase durará 6 meses.

Quais métricas serão avaliadas nas pesquisas da Boston College?


A pesquisa da Boston College irá avaliar antes, durante e após o teste piloto como os funcionários estão se sentindo, sua performance do trabalho e como estão conciliando o trabalho com a vida pessoal com 4 dias de expediente.

Para avaliar os resultados, a universidade americana irá analisar a empresa e os funcionários em 5 blocos:

  • Saúde mental e bem-estar: com 3 dias de descanso, o profissional terá mais tempo para cuidar da saúde e da família, isso melhora ou não a sua saúde?

  • Produtividade/Receita: espera-se que o profissional seja mais produtivo e um dia menos de trabalho gere menos custo para a empresa – ambos os fatores, consequentemente, poderão aumentar o faturamento da empresa;

  • Atração e retenção de talentos: espera-se menor rotatividade e melhora no quadro de talentos, por ser um benefício diferente no mercado;

  • Sustentabilidade: espera-se uma redução de emissão de carbono, com menos uso do transporte, por exemplo;

  • Equidade de gênero: homens poderão ficar em casa por mais tempo, e assim poderão ajudar mais nos afazeres domésticos, por exemplo.

Como os sindicatos irão atuar com este teste piloto no Brasil?


Esse dia de folga a mais está sendo classificado como um benefício, diz Rivetti: “A CLT fala que a gente não pode trabalhar mais, mas que podemos trabalhar menos.”


Para as empresas que realizarem o teste piloto, haverá uma assessoria jurídica para que as empresas possam ter o apoio para acordos individuais com os funcionários participantes. “A Reconnect também está conversando com os sindicatos para realizar acordos coletivos. E os sindicatos estão bem interessados”, diz a empresária.


Um case interessante acontece em Portugal. De acordo com Rivetti, quem está apoiando a 4 Week Day Global, não é uma empresa privada como a Reconnect, mas sim o governo, por meio do Ministério do Trabalho:


“A mudança lá tende a ser mais sistêmica, aqui a gente talvez precise mostrar os resultados, começar a ganhar apoio dos sindicatos, para depois levar ao governo também.”


Quais áreas tendem a adotar o expediente de 4 dias de trabalho?


Todas as empresas do Brasil, de todos os tamanhos poderão apostar no teste piloto de 4 dias de trabalho, mas a fundadora da Reconnect viu que nos pilotos globais o trabalho intelectual se destaca com este benefício:

“Todas as empresas podem participar do teste piloto de 4 dias, mas vimos que existe uma tendência maior para o trabalho intelectual, porque é mais fácil realizar as mudanças que propomos, como revisar a quantidade de reunião e são funções que utilizam processos tecnológicos”.

Talvez, para algumas áreas, seja necessária uma adaptação do formato, afirma Rivetti:


“Ao invés de tirar todos na sexta, a empresa pode adotar uma escala onde uma parte dos funcionários folga na sexta, outra na segunda e outra na quarta. Assim a empresa funciona todos os dias, mas o funcionário conta com um dia a mais de descanso.”


Em hospitais e fábricas que a escala costuma ser mais variável, a estratégia será outra, afirma Rivetti:


“No caso dos hospitais, que contam com uma escala de 24x72, provavelmente terão que contratar mais pessoas, mas vale ressaltar que nos casos globais essas empresas perceberam alguns ganhos, como menos gente faltando e pessoas mais engajadas e com mais saúde. Dependendo, esse custo com novos funcionários pode ter um ganho que compensa.”


Quais resultados globais já mostram a eficácia dos 4 dias de trabalho?


Embora a iniciativa seja inédita no Brasil, ela já acontece em outros países, como EUA e Reino Unido:

EUA

Recentemente saiu o resultado da pesquisa do movimento 4 Day Week Global nos Estados Unidos, referente ao desempenho de 41 empresas americanas que apostaram durante 12 meses no regime de trabalho de 4 dias. A pesquisa mostrou os resultados em três partes:


Negócio:

  • 100% das empresas planejam continuar com a semana de 4 dias.

  • A receita aumentou em 15% nas empresas que relataram um melhor desempenho financeiro.

  • Os funcionários estão mais satisfeitos e motivados, auxiliando na retenção e atração de talentos.

Saúde:

  • Queda significativa nos níveis de exaustão (69%) e estresse (40%).

  • Diminuição de 45% na fadiga e 40% na ansiedade.

Família:

  • 74% relataram maior satisfação com o tempo dedicado à família.

  • Redução significativa dos conflitos entre trabalho e família.


Reino Unido

Recentemente, o Reino Unido divulgou o resultado do piloto realizado lá, afirma Rivetti, que revelou que:

  • 39% dos funcionários se sentiram menos estressados;

  • 71% reduziram o burnout;

  • 54% achou mais fácil conciliar vida pessoal e profissional;

  • 57% de redução de turnover;

  • 15% dos funcionários participantes disseram que nenhum aumento de salário os faria voltar à semana de 5 dias.

“Depois de um ano de estudo, os dados mais recentes mostram que nenhuma empresa que testou a semana de 4 dias quer voltar para 5 dias. Para mim, esse é o maior indicador de sucesso. Mas há outros fatores como redução de burnout, de absenteísmo, redução de turnouver e aumento da receita que, certamente, asseguram esse novo modelo de trabalho.”

Nos pilotos globais, os setores que mais possuem interesse para o regime de 4 dias de trabalho, segundo Rivetti, são trabalhos intelectuais que envolver as áreas:

  • Tecnologia;

  • Marketing;

  • Publicidade;

  • Contadores;

  • Advogados.

“No Brasil, saberemos as áreas que mais tendem a seguir com os 4 dias de trabalho apenas no fim de agosto, onde iremos anunciar as empresas que participarão do teste piloto.”


Qual ganho terá a empresa que se inscrever no teste piloto de 4 dias?

Além dos ganhos citados e avaliados em outros países, as empresas poderão contar com treinamentos de qualidade, de acordo com a Rivetti:


“A empresa no mínimo terá uma grande aula de produtividade. Estamos há 100 anos atuando com 5 dias de trabalho. O mundo mudou em vários aspectos, o trabalho ficou menos operacional e mais intelectual. Hoje acreditamos que a inteligência artificial pode ser uma peça-chave para essa mudança, de focarmos menos no operacional e mais no estratégico e criativo. A empresa que tiver essa metodologia, certamente terá uma nova forma de trabalhar mais eficaz, produtiva e saudável.”


Essa mudança de modelo de trabalho traz um pouco de insegurança por ser algo novo, mas a fundadora da Reconnect Happiness at Work afirma que quem apostar primeiro terá um grande diferencial:

“É normal ficar com medo do novo, mas as empresas que não entrarem, certamente ficarão para trás. Ser protagonista dessa mudança dá poder e pode trazer esses ganhos tão necessários hoje no mercado de trabalho.”

35 visualizações

Comentários


bottom of page